Pesquise no Site

Boletim Sustentável

Preencha seu e-mail abaixo para receber nossa newsletter:

.

.

Tecnologia ajuda na sustentabilidade, diz pesquisador
Pesquisador do MIT, o norte-americano Eric Baczuk falou no TEDx Laçador, ciclo de palestras que ocorre hoje na ESPM, em Porto Alegre, sobre como a tecnologia pode colaborar com a sustentabilidade das cidades. Hoje, com câmeras, microfones e monitoramento por satélite, as cidades são vistas com um grau de detalhamento que nunca vimos antes, aponta Baczuk. O desafio agora é usar esse conhecimento para conhecer melhor as cidades e depois desenvolver ações para melhorá-las.
Baczuk fez um apanhado de novas tecnologias usadas em diversas cidades do mundo, como Zaragoza, na Espanha, e Seattle, nos Estados Unidos, que são empregadas para monitorar e estudar como as pessoas descartam o lixo ou utilizam a água fornecida pelos sistema público de abastecimento.
O cientista também trabalha em um projeto na cidade do Rio de Janeiro para melhorar o sistema de abastecimento de água à população. Em seu trabalho, sensores são colocados na água do rio Paraíba do Sul, que abastece grande parte da cidade, e na baía de Guanabara para monitorar os níveis de poluição. A ideia é usar gráficos tridimensionais gerados por programas de computação de gráfica para mostrar o volume da poluição e ajudar a conscientizar as pessoas da importância de conservar a limpeza dos mananciais de água.
Fonte:
Jaime Silva
Zero Hora
09/04/2011


Pesquisador do MIT, o norte-americano Eric Baczuk falou no TEDx Laçador, ciclo de palestras que ocorre hoje na ESPM, em Porto Alegre, sobre como a tecnologia pode colaborar com a sustentabilidade das cidades.

Hoje, com câmeras, microfones e monitoramento por satélite, as cidades são vistas com um grau de detalhamento que nunca vimos antes, aponta Baczuk. O desafio agora é usar esse conhecimento para conhecer melhor as cidades e depois desenvolver ações para melhorá-las.

Baczuk fez um apanhado de novas tecnologias usadas em diversas cidades do mundo, como Zaragoza, na Espanha, e Seattle, nos Estados Unidos, que são empregadas para monitorar e estudar como as pessoas descartam o lixo ou utilizam a água fornecida pelos sistema público de abastecimento.

O cientista também trabalha em um projeto na cidade do Rio de Janeiro para melhorar o sistema de abastecimento de água à população. Em seu trabalho, sensores são colocados na água do rio Paraíba do Sul, que abastece grande parte da cidade, e na baía de Guanabara para monitorar os níveis de poluição. A ideia é usar gráficos tridimensionais gerados por programas de computação de gráfica para mostrar o volume da poluição e ajudar a conscientizar as pessoas da importância de conservar a limpeza dos mananciais de água.

 

Fonte:

 

Jaime Silva
Zero Hora
09/04/2011