Parcerias

Curtir no Facebook

.

.

Pesquise no Site

Boletim Sustentável

Preencha seu e-mail abaixo para receber nossa newsletter:

.

.

Surgimento da sustentabilidade

A sustentabilidade é um tema cada vez mais discutido, e vem sendo adotado por muitas empresas em seu mercado de atuação frente aos problemas sociais e ambientais que enfrentamos em nosso planeta. Pode-se verificar que a degradação decorrida da ação do homem ao longo do século causou graves conseqüências à natureza e à sociedade, e hoje estes efeitos decorrentes nos fazem refletir para que algo seja feito para minimizar este problema mundial. As organizações começam a se preocupar cada vez mais para que algo seja mudado visando preservar o meio ambiente. Esta preocupação deve vir das empresas, sociedade e necessita de maior participação do governo. É com esta preocupação e o objetivo de solucionar o problema atual, que nasce a sustentabilidade.

Questões verdes têm uma história que remonta a década de 50 com a introdução do Ar Limpo (1956 e 1968) e os anos 60, quando o ambientalismo se tornou "moda", com "hippies" e da publicação em massa da causa ambiental. Embora estas eras provou ser inestimável para o desenvolvimento da educação ambiental, que não era verdade, até os anos 70 que estas questões começaram a surgir no cenário governamental com o 1972 Limits to Growth Report e da Conferência de Estocolmo. Este período coincidiu com a opinião pública forte do meio ambiente, já que esta foi na década em que o Greenpeace foi fundado.

Ao longo das últimas décadas tem havido uma série de esforços internacionais para ajudar as empresas a alcançar seus ideais e ambiental sustentável. O ponto de partida para isso foi o relatório Limites do Crescimento e da Conferência de Estocolmo sobre o Ambiente Humano, que levantou preocupações sobre as questões ambientais e começou uma onda de regulamentação governamental. A seguir as etapas do acordo internacional e a consciência ambiental a partir de 1972.

1972
- "The Limits to Growth" Relatório
- Conferência de Estocolmo sobre o Ambiente Humano das Nações Unidas

 

1979
- Convenção de Berna sobre Habitat Protection (Conselho da Europa)
- Convenção de Genebra sobre a Poluição Atmosférica

1980
- Estratégia Mundial de Conservação (IUCN)
- Relatório Global 2000 (E.U.A.)

1983
- Helsinki Protocolo sobre Qualidade do Ar (ONU)
- Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (ONU)

1987
- Protocolo de Montreal sobre Substâncias que destroem a Camada de Ozônio (ONU)
- Nosso Futuro Comum (Comissão Brundtland, em nome da ONU)

1990
- Livro Verde sobre o Ambiente Urbano (CE)

1992
- Rio Summit Agreements (ONU)
- Nossa Herança Comum (UK)

1994
- Agência Européia do Ambiente estabelecida (UE)

1997
- Conferência de Kyoto sobre o Aquecimento Global

Na década de 1980 houve uma diferença significativa entre o que o público esperado de negócio e o que o negócio estava realmente fazendo em termos de meio ambiente.
A publicação do Relatório Brundtland, em 1987, destacou o fato de que os atuais padrões de consumo de recursos e degradação ambiental não poderia continuar como estavam, e para reduzir o problema que nos deparam, a sociedade deve agir como um todo. O Relatório Brundtland, salientou o fato de que o desenvolvimento sustentável deve ser empregado para garantir os recursos da terra, assim, melhorar o bem-estar social e criando uma melhor qualidade de vida para as gerações futuras. Foi o primeiro relatório para usar o termo "desenvolvimento sustentável" e definiu-o como:

"O desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem suas próprias necessidades " (Brundtland, 1987).

Renovado interesse público nas questões ambientais foi associado com um aumento significativo na regulamentação ambiental, através dos Programas de Ação da Comunidade Européia.

O Livro Verde da Comissão Européia e o Livro Verde sobre o Ambiente Urbano (1990) foi o ponto de partida no despertar ambiental. Ele estava especialmente preocupado com o que estabelece o amplo quadro de ação comunitária eficaz em uma ampla gama de problemas ambientais a partir da energia de ruído e aquecimento global à poluição da água. O Livro Verde levou as autoridades municipais e os governos nacionais para enfrentar o declínio da qualidade de vida urbana na Europa. Para muitos, como o Governo do Reino Unido, levou a uma reorientação das políticas para a qualidade ambiental. O valor principal do Livro Verde foi a abordagem do geral, cruzando as fronteiras setoriais e pedindo que os governos da UE para resolver o crescente problema da deterioração da vida urbana com os riscos inerentes da poluição para a saúde, segurança e mudança climática global.

Em 1992, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), estabeleceu uma série de diferentes iniciativas para promover a aceitação de desenvolvimento sustentável no mundo inteiro. UNCED produziu dois acordos sobre as questões ambientais globais - a Convenção sobre Biodiversidade e o Tratado sobre Princípios Florestais, duas afirmações sobre a relação entre práticas ambientais sustentáveis e à persecução da política social e desenvolvimento sócio-econômico - a Agenda 21 e a Declaração do Rio e a Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima.

O tema fundamental da UNCED para as empresas foi a conciliação do desenvolvimento econômico e proteção ambiental, dos quais, os resultados mais importantes foram a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92) e a Agenda 21. Ambos os documentos de foco nas políticas que afetam o fluxo das finanças e do comércio globais, que são cruciais para o negócio e tem um grande impacto no desenvolvimento sustentável.


12 de outubro de 2009.

GARCIA, Felipe B.