.

.

.

Pesquise no Site

Boletim Sustentável

Preencha seu e-mail abaixo para receber nossa newsletter:

.

.

Ecodesign não é artesanato


Saiba a diferença nesta entrevista exclusiva com a diretora executiva da Objeto Brasil, Joice Joppert Leal

Na terça-feira à noite foram anunciados os vencedores do prêmio IDEA Brasil 2010, que traz entre suas categorias o Ecodesign. A relação entre sustentabilidade, design e consumo é o tema da entrevista com Joice Joppert Leal, diretora executiva da organização Objeto Brasil, que representa no País o prêmio internacional IDEA Awards e tem como objetivo a promoção do design brasileiro aqui e no exterior. Confira.

Como você vê a preocupação com a sustentabilidademercado no mercado de design?

Cada vez mais a sociedade está preocupada com a sustentabilidade. É um fator determinante na compra de um produto. Isso sem dúvida se reflete no mercado de trabalho dos designers.

Os designers vêm se preocupando mais com esta questão?

Sim, os designers estão atentos a isso. E, como os clientes também têm essa preocupação, há um interesse convergente.

Qual o papel do design na determinação do impacto ambiental de um produto?

Numa indústria, o designer trabalha numa equipe multidisciplinar ao lado de engenheiros de produtos e de processos. Ele vê como inserir as questões ligadas à sustentabilidade, como por exemplo, na escolha de materiais renováveis.

O que você destacaria nos produtos vencedores da categoria Ecodesign?

O que é marcante é a diversidade. Temos a Linha Ekos de Sabonetes da Natura, a e-boards - uma prancha de surf -, uma bicicleta de madeira e um reciclador de óleo de cozinha.

Hoje em dia ecodesign não é mais sinônimo de artesanato e da "estética hippie". Por que?

Porque hoje, quando falamos em ecodesign, estamos falando em produção industrial. É algo bem distinto do artesanato, produzido em pequena escala e manualmente.

Quando você acha que ocorreu esta mudança e quais foram os fatores determinantes?

Há muitos anos a indústria vem se preocupando com a eficiência energética e a utilização de matérias-primas renováveis. Isso se deve em parte à realização da ECO 92 no Brasil  (Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, que aconteceu no Rio em 1992) , quando se difundiu mais a relevância da preservação do meio ambiente.

A tecnologia industrial ajudou?

Sim, ajudou porque temos equipamentos que facilitam o plantio e a colheita de matérias-primas com menor impacto para o meio ambiente, além de equipamentos que economizam energia e voltados à reciclagem de produtos. As atividades em centros de pesquisa foram fundamentais. A interação mais intensa dos designers e indústrias com os Centros de Pesquisa e Desenvolvimento também é responsável pelas mudanças.

Como os lojistas e os consumidores finais veem os produtos de ecodesign? É um fator que lhes interessa ou ainda muito distante?

Os lojistas valorizam o ecodesign porque há uma demanda por ele e uma consciência maior a respeito do assunto.


Fonte:


Alice Lobo - Especial para O Estado de S. Paulo

24 de agosto de 2010
estadao.com.br