.

.

.

Pesquise no Site

Boletim Sustentável

Preencha seu e-mail abaixo para receber nossa newsletter:

.

.

Os problemas ambientais pela falta de uma ETE

Muito se fala sobre preservação do meio ambiente nos dias de hoje, mas normas e leis que deveriam ser cumpridas, para evitar desastres ambientais de grande impacto, têm sido negligenciadas por muitas empresas.

A poluição ambiental é uma preocupação mundial e o despejo de materiais sem o tratamento devido implica na perda da qualidade de vida, incluindo problemas de saúde. Por isso, é possível perceber uma mudança de prioridade em algumas indústrias e centros urbanos, mas ainda muito longe do ideal, pois grande quantidade de efluente continua despejada de maneira irregular, sem nenhuma espécie de triagem, cuidado ou tratamento intermediário.

Mais recentemente, em fevereiro, a mineradora norueguesa Hydro Alunorte, maior refinaria de alumina no mundo, foi responsabilizada pelo vazamento de suas barragens de rejeitos de bauxita, provocando grande contaminação em diversas áreas de Barcarena, nordeste do Pará.

O vazamento ocorreu em decorrência de ligações clandestinas feitas pela empresa, a fim de eliminar efluentes contaminados que estavam acumulados dentro da fábrica para fora da área industrial.  Além dos rejeitos terem invadido extensa área ambiental, verificou-se que os índices de sódio, nitrato e alumínio encontrados no material coletado da tubulação com as ligações clandestinas e no igarapé de uma vila da região do vazamento (vila Bom Futuro) estavam acima do permitido, tornando o líquido extremamente abrasivo e nocivo.

Tal contaminação é prejudicial às comunidades locais que buscam o alimento, através da pesca, e o lazer nos igarapés e rios, além de poluir o meio ambiente, como outros seres vivos e plantas.

Como consequência de sua conduta, ao realizar ligações clandestinas para eliminar seus efluentes, a Hydro Alunorte foi multada em 20 milhões de reais, e ainda poderá sofrer outras retaliações, pertinentes ao ato, como embargo de licenças e processos judiciais. Inquéritos já foram instaurados pelo Ministério Público do Pará, além de um inquérito civil, instaurado pela Promotoria de Justiça de Barcarena.

Nesse contexto, a Fibrav, uma empresa sul mineira, da cidade de Lambari, atende empresas de diversos segmentos que de maneira responsável cumprem com todas as normas e leis ambientais, buscando soluções seguras para o devido descarte de seus resíduos.

A Fibrav, projeta e fabrica estações de tratamento de esgoto (ETEs), além de peças e acessórios de tratamento de água e esgoto. As estações são fabricadas em fiberglass de alta resistência, para o tratamento de efluentes líquidos de origem sanitária e industrial (ETEs), com volumes que variam de 10 m³ a 1.800 m³ por dia. Todo o processo de fabricação é criterioso, no qual é dada toda atenção às normas técnicas específicas, a fim de eliminar toda e qualquer possibilidade de desastres ambientais.

“O lançamento de efluentes líquidos não tratados, provenientes das indústrias e esgotos sanitários, em rios, lagos e córregos provocam um sério desequilíbrio no ecossistema aquático. Cito como exemplo o esgoto doméstico, que consome oxigênio em seu processo de decomposição, causando a mortalidade de peixes”, afirma Jackson de Biaso, gestor comercial da Fibrav.

Conforme pesquisa da ONG SOS Mata Atlântica, apenas 11% dos rios mapeados foram considerados de boa qualidade, 49% dos rios são considerados em estado regular, no entanto, 35% estão em estado ruim e 5% em estado crítico. Números como esses demonstram a necessidade de políticas em prol do meio ambiente, que visem a preservação conjunta da sociedade, governo e indústria.

Entre as principais doenças ocasionadas pela água sem tratamento estão: cólera, disenteria, meningite, amebíase e hepatites A e B. Já os efluentes industriais que poluem os rios podem causar contaminação por metais pesados, provocando tumores hepáticos e de tireoide, rinites alérgicas, dermatoses e alterações neurológicas.
Jackson afirma que há duas possibilidades de tratamento: onsite e o off-site.

No onsite, a construção, operação e manutenção da ETE é realizada no local, sendo a empresa geradora responsável por todos os procedimentos relacionados a este fim.

Já no tratamento off-site, a empresa geradora encaminha seus efluentes para uma empresa confiável para a realização de todos os processos do tratamento, desde transporte até o descarte final.

Segundo o diretor geral da empresa Oswaldo de Biaso, existem uma série de leis e normas ambientais que regulam e definem punições para as empresas que cometem crimes ambientais. “Acreditamos que as empresas estão adotando uma postura de responsabilidade compartilhada entre todos para vencer os desafios ambientais. Os efluentes industriais são um tipo de material complexo e altamente poluente, a Fibrav tem a solução ideal para tratar o efluente da melhor forma, evitando qualquer tipo de transtorno neste sentido”, finaliza o diretor.

FIBRAV – Soluções em Fibra de Vidro
www.fibrav.com.br

Redação
Mundo da Sustentabilidade
04/04/2018