Pesquise no Site

Boletim Sustentável

Preencha seu e-mail abaixo para receber nossa newsletter:

.

.

Classificação exige sustentabilidade

A rede hoteleira de todo o Brasil deve melhorar em termos de serviços, sustentabilidade, infraestrutura e padronização. O motivo é a nova classificação dos hotéis brasileiros apresentada pelo Ministério do Turismo (Mtur) através de portaria do Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass).

A classificação, a ser implementada na segunda quinzena deste mês, volta a ter a simbologia de estrelas (de uma a cinco) e pelas tipologias hotel, pousada, hotel-fazenda, hotel histórico, cama&café, flat e resort. O projeto é uma parceria do Ministério do Turismo com o Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro) e a Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM).

Ainda não há definição do custo para os estabelecimentos, mas o diretor administrativo da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional), Nerleo Caus, acha o preço é insignificante. “Deve ser na faixa de R$ 1.200. Para uma classificação que vale três anos não é nada absurdo. O importante é ter referências, e na hora de escolher a hospedagem, o cliente fazer de acordo com as categorias”, diz Caus.

Apesar da adesão ao sistema ser voluntária e ainda não estar em vigor, Caus acredita que será “quase absoluta no Brasil”. Ele ainda comenta a importância da vinda do SBClass com a proximidade da Copa do Mundo 2014, Olimpíadas e a ascensão da classe C. “Vinte e dois milhões de brasileiros ascenderam da classe C, o que permite também a essa nova classe conhecer outros lugares e se hospedarem. Esses motivos são muito fortes para dizer que a demanda vem crescendo e a gente precisa se organizar e padronizar”, avalia o diretor administrativo da ABIH Nacional. Segundo Caus, a classificação atual teve grande debate até entre a sociedade.

“Uma das mudanças foi a questão da sustentabilidade, o que melhora as práticas na rede e também a qualidade dos serviços através da qualificação profissional. Nós e o Mtur estamos requalificando a mão de obra instalada pela Escola Virtual, em que foram 5.314 pessoas em 2010 e para este ano queremos mais 11 mil”, destaca Caus. De acordo com ele, o setor hoteleiro no Brasil segue padrões excelentes em questões de infraestrutura, “não deve nada a ninguém” e precisa melhorar ainda mais em serviços. Atualmente o Brasil comporta cerca de 28 mil estabelecimentos na rede hoteleira.

Preparo

Um dos hotéis mais conhecidos de Fortaleza, o Marina Park, já garante adesão ao projeto. “O hotel já vem se preparando para isso em serviço e qualidade. Já vinha trabalhando numa matriz anterior a essa, com a classificação de cinco estrelas”, comenta o diretor do hotel, Eliseu Barros. Para Barros, o novo sistema de classificação traz uma identidade para o hotel um envolvimento maior dos funcionários. Segundo o diretor a adequação às normas exigirá mais investimentos para os hotéis de três ou quatro estrelas.

A presidente do Skal Internacional de Fortaleza, Enid Câmara, acha importante a nova medida para manter o serviço de qualidade e cobra rigor na fiscalização dos hotéis. “Estou muito feliz em ter voltado a classificação”. (Natalie Caratti)

ENTENDA A NOTÍCIA

O sistema de classificação de hotéis pela simbologia estrelas volta após o lançamento do Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClasss) do Mtur. Com isso, os hotéis devem investir mais em sustentabilidade e serviços para serem bem posicionados.

Mais informações

www.classificacao.turismo.gov.br

SAIBA MAIS

O Ministério do Turismo (Mtur) iniciou os estudos para implantação do Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass), em 2008, após a promulgação da Lei do Turismo - Lei n° 11.771, de 17 de Setembro de 2008, que determinou a adoção de medidas para qualificar e padronizar os serviços prestados ao turista. Era preciso modernizar a estrutura, adotando padrões de referência internacionais.

O modelo anterior, implantado em 2002, instituído pela Deliberação Normativa da Embratur nº 429, de 23 de abril de 2002, teve pouca repercussão no mercado. Foi considerado ultrapassado, porque não contemplava a diversidade da hotelaria brasileira. Utilizava uma única matriz para todos os tipos de meios de hospedagem e foi revogado em 2010. O quesito sustentabilidade também é uma novidade do novo modelo instituído pelo Mtur.

Para solicitar a classificação, que terá validade de 36 meses, os meios de hospedagem devem preencher formulários disponíveis no endereço www.cadastur.com.br. Depois da análise e aprovação da documentação, é realizada uma inspeção para avaliar a conformidade com os requisitos previstos nas matrizes de classificação. As auditorias serão realizadas por técnicos do Inmetro.


Fonte:

O POVO Online
04/07/2011